Água e ambiente limpos trazem vida melhor

Material produzido pela Rádio Rural Internacional em 1° de dezembro de 2008, como parte do pacote de informações n° 86.

Original em inglês disponível em: http://scripts.farmradio.fm/radio-resource-packs/package-86/clean-water-and-a-clean-environment-make-a-better-life/.


Observações para as emissoras:

Dizem que água é vida! O saneamento também é descrito como uma forma de vida e é definido como o meio de evitar contato das pessoas com o risco causado pelos resíduos humanos, a fim de promover a saúde. Água limpa ajuda a criar bom saneamento e melhor higiene. Isso, por sua vez, gera boa saúde. Mau saneamento, água e higiene apresentam repercussões sérias. Crianças (particularmente as meninas) têm negado seu direito à educação porque as suas escolas não dispõem de instalações sanitárias privadas e limpas. As mulheres são forçadas a passar boa parte do seu dia coletando água. Os agricultores pobres e trabalhadores assalariados são menos produtivos devido às doenças relacionadas com a água, os sistemas de saúde estão sobrecarregados e a economia dos países sofre. Sem água segura, bom saneamento e higiene, o desenvolvimento sustentável é impossível.

Neste roteiro, uma aldeia é assolada por um sério problema de saúde relacionado com a água. O problema é resolvido com os esforços dos habitantes locais em colaboração com a autoridade local.

A história segue um processo emocionante de identificação da fonte do problema e eventual cooperação dos habitantes locais para lidar com ele. Um líder da aldeia e outros membros da comunidade relatam a história para o radialista. A história fala sobre os habitantes da aldeia, incluindo as crianças, com sangue na urina. Este é um sintoma clássico de esquistossomose, doença causada pela urina ou defecação humana em corpos d’água, em que o agente infeccioso penetra na pele de outro ser humano.

O roteiro a seguir pode ser adaptado por qualquer comunidade para lidar com situação similar. Ele pode também ser adaptado e traduzido por emissoras de rádio para adaptá-lo às suas condições locais.

Este roteiro é baseado em entrevistas reais, conduzidas com habitantes de aldeias de Gana. Para produzir este roteiro na sua emissora, você poderá decidir usar vozes de atores para representar os habitantes da aldeia e alterar o texto do roteiro para adaptá-lo à sua situação local. Neste caso, não se esqueça de dizer aos seus ouvintes no início do programa que as vozes são de atores, não das pessoas originalmente envolvidas nas entrevistas, e que o programa foi adaptado para a sua audiência local, mas é baseado em entrevistas reais.


Roteiro:

Personagens:

  • Nana Kwaku Forkuo: idosa da aldeia e líder de opinião.
  • Maa Fátima: mulher, líder de opinião.
  • Benedict Agyei Boahen: deputado da região.
  • Vanessa Gyamfuah Agyei Boahen: membro da assembleia do conselho local.
  • Crianças da aldeia.

Vinheta de abertura. Diminui após trinta segundos e desaparece sob a voz do apresentador.

Apresentador: Bom dia, ouvinte! Bem-vindo ao nosso programa Fórum do Agricultor de hoje. Neste programa, vamos saber como as pessoas de Fiaso, uma aldeia da região de Brong Ahafo, no centro de Gana, resolveram com sucesso os seus problemas de água e saneamento. Esses problemas foram causados pelo descarte descuidado de lixo no rio e pelos animais que usam a mesma fonte de água para beber dos seres humanos. Em Fiaso, o rio não servia apenas como fonte de água potável, mas era também usado para as tarefas domésticas e para agricultura. Felizmente, a aldeia conseguiu identificar o problema e usar a experiência local, com auxílio das autoridades, para resolvê-lo.

Este programa é baseado em extensas entrevistas com membros da comunidade e outras pessoas importantes para o desenvolvimento da comunidade. Vamos ouvir Nana Kwaku Forkuo, líder de opinião em Fiaso, quando voltarmos em vinte segundos.

Som de crianças brincando, seguido por uma pessoa mais idosa limpando a garganta, coleta de água e pessoas tomando banho.

Apresentador: Estamos de volta. Nana Forkuo, como os problemas começaram em Fiaso?

Nana Forkuo: Foi em meados de junho, três anos atrás. As chuvas haviam começado. Chovia quase todo dia e à noite. O Rio Fia estava cheio e havia inundado os campos. Havia pastos verdes para os animais. As crianças nadavam no rio na parte da tarde. As mulheres lavavam suas roupas e panelas nas margens do rio. As meninas retiravam água para as tarefas domésticas. Até que, uma manhã, soube que algumas crianças na escola haviam começado a urinar sangue. Também vieram relatos de pessoas da nossa comunidade que haviam estado no hospital municipal com problemas de estômago, como diarreia, disenteria e febre tifoide. Mais tarde, as enfermeiras confirmaram que problema era água contaminada. No começo, os membros da comunidade não conseguiam acreditar que o rio era o problema. Depois, não conseguíamos identificar a fonte exata da poluição.

Apresentador: Como vocês finalmente conseguiram identificar a fonte da contaminação?

Nana Forkuo: Um funcionário de saúde ambiental explicou que o nosso depósito de lixo, que fica na parte acima do rio, era uma das causas da poluição. O rio flui quase inteiramente em volta da comunidade e, quando chove, quase todo o lixo flui com ele. Nós vimos que as nossas ações eram responsáveis pela contaminação do rio. Nós cooperamos com as autoridades de saúde, que retiraram amostras de água. As investigações comprovaram que a nossa fonte de água era poluída por alguns habitantes que depositavam fezes e refugos no rio.

Apresentador: O que aconteceu, então?

Nana Forkuo: Nós falamos com os membros da comundiade e compreendemos que eles haviam aceitado a responsabilidade. Eles reconheceram que as suas ações eram a causa dos problemas de saúde da cidade e que havia necessidade urgente de uma solução.

Apresentador: Como os problemas foram resolvidos?

Nana Forkuo: O funcionário de saúde ambiental nos ajudou a compreender que necessitávamos de outra fonte de água potável, possivelmente um poço, enquanto cuidávamos do problema da poluição. As crianças foram aconselhadas a não nadar no rio em certas épocas do ano. Pedimos ao membro da assembleia que entrasse em contato com o deputado da região e a autoridade local, pedindo ajuda. Os membros da comunidade, com a ajuda do funcionário de saúde ambiental, zonearam o rio para diferentes atividades. Por exemplo, a parte acima do rio (que estava fora da região poluída) foi destinada à água para beber e cozinhar. A parte do meio devia ser usada apenas para lavagem e outras tarefas domésticas. Uma parte do rio do meio para baixo foi zoneada para as crianças nadarem, mas só nas estações secas. E a parte abaixo do rio foi destinada aos animais. O depósito de lixo foi removido para mais longe, para evitar que a água poluída chegasse ao rio.

Apresentador: Parece um bom plano!

Nana Forkuo: Sim. No começo, foi muito difícil para as mulheres trabalhar com o plano porque o depósito de lixo foi removido para longe. O poço foi cavado no tempo certo, mas os membros da comunidade levaram algum tempo para poderem seguir esse novo plano.

Apresentador: Obrigado, Nana Forkuo. Agora vamos ouvir alguns outros membros da comunidade. Primeiro, vamos falar com Maa Fátima, mulher líder da comunidade.

Intervalo musical de dez segundos que abaixa e desaparece sob a voz da entrevistada.

Maa Fátima: Eu não sabia que a água que bebemos todo dia precisa ser protegida até que o meu filho mais novo começou a vomitar uma manhã. A nossa visita ao hospital mostrou que a doença do meu filho era causada pela água contaminada. Nós temos só uma fonte de água potável, o Rio Fia, e eu sabia que havia um problema com o rio. Muitas crianças da comunidade tiveram disenteria, febre tifoide, bilharzíase e outros problemas relacionados com a água. Mas, desde que o rio foi dividido em zonas diferentes, o número de doenças relacionadas com a água diminuiu substancialmente.

Apresentador: Obrigado, Maa Fátima. Agora vamos falar com a Sra. Vanessa Agyei Boahen, que é membro da assembleia local. Como a sra. ajudou?

Membro da assembleia: Primeiro fiquei sabendo das crianças que urinaram sangue e outras pessoas que sofreram de diarreia e outras doenças no início de julho, três anos atrás. Eu repassei rapidamente essa informação para a Diretoria de Saúde da municipalidade. Eles mandaram uma equipe para investigar e descobriram que o problema era o rio.

Apresentador: O que foi feito depois?

Membro da assembleia: Primeiramente, um depósito de lixo perto da parte superior do rio foi movido de lugar para evitar que a água vazasse do lixo para o rio. Em segundo lugar, o deputado da região, com ajuda da assembleia, viu a necessidade de fornecer um poço para a comunidade, para que a água para beber não fosse retirada do rio. Em terceiro lugar, nós organizamos trabalhos comunitários para redirecionar os resíduos da comunidade para a parte abaixo do rio, onde a água é usada pelos animais. Por fim, tipos especiais de grama, além de árvores de acácia e mogno, foram plantados ao longo da parte acima do rio. Essas plantas seguram o solo no lugar e fornecem sombra que resfria o rio, o que reduz a proliferação de germes. Com a educação massiva sobre boas prática sanitárias que foi oferecida aos habitantes da aldeia pelos funcionários de saúde ambiental, a situação agora melhorou.

Interlúdio musical de dez segundos, incluindo vozes de crianças na escola, que diminuem sob a voz do apresentador.

Apresentador: Vamos agora falar com algumas crianças. Olá, como estão vocês? Algum de vocês esteve no hospital recentemente?

Crianças: Estamos bem, obrigado! (Um deles começa a responder a questão) Meu nome é Abubakar Salifu e estou no quinto ano da escola. Há mais ou menos três anos, eu fui nadar no rio com meus amigos. Depois de uma semana, eu comecei a ter dores quando urinava. Mais tarde, percebi que a minha urina tinha manchas de sangue. A mesma coisa aconteceu com a maioria dos meus amigos. Alguns deles estavam até vomitando e tiveram diarreia. Algumas enfermeiras vieram, nós fomos para o hospital e nos deram umas pastilhas que acabaram com as manchas de sangue na urina. Também nos disseram para não nadar no rio e para manter o nosso ambiente limpo.

Apresentador: Como vocês mantêm o seu ambiente limpo?

Crianças: De muitas formas. Varrendo as nossas casas, recolhendo o lixo em um cesto sem jogá-lo por aí, indo ao banheiro e não fazendo a céu aberto e limpando nossas mãos com sabão depois de ir ao banheiro, antes de comer e depois de fazer qualquer trabalho no solo.

Apresentador: Isso é bom para todos vocês! (Pausa) Bem, ouvinte, espero que você tenha aprendido algo com a experiência do povo de Fiaso. Lembre-se de que o programa de hoje falou sobre como identificar problemas de água e saneamento e como lidar com eles de forma local. Sabemos que o saneamento é questão de vida e que deverá ser respeitado em todos os aspectos da vida humana: casas limpas, defecação higiênica, fazendas limpas, vizinhança limpa e água limpa com certeza nos darão vidas mais saudáveis, mais longas e mais felizes. Até a semana que vem, sou Kwabena Agyei. Por hoje é só.


Créditos:

Contribuição de Kwabena Agyei, Gerente de Produção, Classic FM, Techiman, Gana, parceira da Rádio Rural Internacional.

Revisão: Alan Etherington, consultor independente sobre água, saneamento e promoção da higiene e ex-funcionário da WaterAid.

Agradecimentos a Kadiatou Haidara, WaterAid.


Fontes de informação:

Entrevistas com Nana Kwaku Forkuo, Maa Fátima e Vanessa Gyamfuah Bohane, 21 de julho de 2008; entrevistas com crianças da aldeia, 27 de julho de 2008; entrevista com M. K. Asare, Gerente, Companhia de Água de Gana, Techiman, 14 de agosto de 2008; entrevistas com Benedict Agyei Boahen, Sr. Karim Mohammed (funcionário de saúde ambiental, Techiman) e Sr. Yaw Donyina (executivo-chefe, Tehiman), primeiro de setembro de 2008.


A Rádio Rural Internacional (Farm Radio International) é uma organização canadense sem fins lucrativos dedicada a apoiar emissoras de rádio em países em desenvolvimento para fortalecer comunidades rurais e a agricultura em escala.

Segundo a organização, o material da Rádio Rural Internacional pode ser copiado ou adaptado para distribuição gratuita ou a preço de custo, com crédito para a Rádio Rural Internacional e para as fontes originais.

Esta versão em português é um trabalho voluntário, independente da organização e oferecido gratuitamente para as emissoras de rádio dos países de língua portuguesa. O texto foi traduzido para o português do Brasil, mas pode ser adaptado com facilidade para o português falado em outras partes do mundo (para dúvidas sobre os termos empregados, utilize o formulário de contato em https://radioruralportugues.wordpress.com/creditos-e-contato/).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s