Como trabalhar com solo salino

Material produzido pela Rádio Rural Internacional em 1° de dezembro de 1992, como parte do pacote de informações n° 27.

Original em inglês disponível em: http://scripts.farmradio.fm/radio-resource-packs/package-27/working-with-saline-soil/.


Observações para as emissoras:

Conteúdo: alguns solos são naturalmente salgados. Outros solos ficam salgados devido ao tempo seco ou excesso de irrigação. Aqui estão algumas ideias para ajudar a reduzir o problema da salinidade do solo.


Roteiro:

O solo salino é um problema para muitos agricultores. O solo salino é especialmente comum em terrenos baixos, como as margens inundadas de rios, leitos de lagos e margens costeiras. Nesses lugares, água subterrânea contendo sais é encontrada a poucos metros da superfície.

A maioria das plantas não cresce bem em solo salino – isso quando chega a crescer. Elas ficam amareladas, murcham e o seu crescimento é comprometido. A maior parte das plantas morre em solos salinos.

O solo salino mata as plantas interferindo com a forma como elas conseguem a água e os nutrientes de que precisam para crescer. As plantas absorvem água e nutrientes do solo por meio de um processo chamado de osmose. No processo de osmose, uma solução fraca do solo move-se para solução mais forte nas raízes da planta. É assim que as plantas se alimentam.

Em solos salinos, o alto teor de sal torna a solução de solo mais concentrada que a solução nas raízes da planta, o que é o oposto da situação habitual. Por isso, os nutrientes, em vez de mover-se do solo para a planta, movem-se da planta para o solo. O processo de osmose funciona ao contrário. Com isso, a planta morre.

Solos naturalmente salinos:

Alguns solos são naturalmente salinos. Áreas com solo naturalmente salino normalmente estavam cobertas por água salgada muito tempo atrás. Ou havia alto teor de sal nas rochas e minerais que formaram o solo. Áreas com solo naturalmente salino podem normalmente ser identificadas pela vegetação característica que cresce por ali.

Os sais normalmente acumulam-se sobre a superfície do solo quando a água salina subterrânea eleva-se até a superfície. Em tempo seco, a água que sobe para a superfície evapora com mais rapidez. Quando ela seca, deixa para trás uma crosta branca de sal. Se não houver água da chuva suficiente para lavar esse sal, o seu campo pode ficar coberto por ele.

Solo bom pode tornar-se salino:

Mas solo bom e fértil pode também tornar-se salino. Como o solo se torna salino? Se você vive em uma região costeira onde a terra é mais baixa que o nível do mar, você sabe que a água do mar entra na terra durante altas ondas ou ciclones. Essa água salgada do mar permanece nos campos. Quando ela evapora, o sal fica para trás. Este problema pode ser evitado com a construção de barragens em áreas costeiras. A água do mar pode também penetrar por via subterrânea em campos perto do mar. É difícil impedir a água do mar de infiltrar-se no solo.

Você pode também ter problemas de salinidade se plantar perto de um lago salgado artificial ou fazenda de sal, que seja usada para produzir sal. Durante a estação seca, a água dos lagos ou fazendas de sal seca e formam-se crostas de sal onde costumava ficar a água. Quando houver fortes ventos, o sal é levado para os campos.

Irrigação excessiva:

A maior causa de salinidade são as falhas na irrigação. Ao contrário da água da chuva, a água de rios, poços ou fontes que você usa para irrigação contém sais. Se você irrigar demais, a água deposita-se no campo. Durante a estação quente, ela evapora e deixa sal no seu campo. Por isso, você precisa cuidar para não irrigar demais a sua produção.

Existe outro problema relativo à irrigação. Se você irrigar em demasia a sua terra e não houver drenagem suficiente para permitir a fuga da água em excesso, ou se você usar canais de irrigação que permitam a infiltração da água, água demais entra no solo. Isso causa a elevação do lençol freático, trazendo a água para a superfície. A água evapora na superfície e cria um efeito de sucção, levando a água e os sais até a região das raízes das plantas.

Duas formas de evitar a salinidade causada pela irrigação excessiva são o uso de pulverizadores ou métodos de irrigação por gotejamento. Esses métodos controlam a quantidade de água obtida pelas suas plantas, mas podem ser caros. O importante é irrigar com cuidado e tentar dar às suas plantas apenas a quantidade exata de água.

Na maioria das áreas secas, a água subterrânea chega à superfície durante a estação seca por meio de ação capilar. Ela evapora em seguida e deixa o sal na superfície. Você pode evitar que isso aconteça espalhando adubação verde, como cascas de arroz, folhas secas, esterco ou composto sobre o seu campo. Você pode também evitar a ação capilar que faz com que a água subterrânea suba à superfície arando ou virando o solo regularmente.

Espalhar substâncias como cal ou gesso sobre o solo é outra forma de reduzir a salinidade. Cal e gesso dissolvem o sal, que é levado mais facilmente pela água. Aplique gesso ou cal ao solo salino anualmente para melhorar o solo. Quando as plantas estiverem saudáveis, você pode suspender as aplicações.

Algumas plantas, como algodão, cevada, beterraba e tâmaras, podem tolerar sal. Outras são moderadamente tolerantes ao sal. Mas mesmo plantas tolerantes ao sal são sensíveis quando estão germinando. Por isso, se possível, você deverá cultivar as mudas em um leito de estufa livre de sal e transplantá-las posteriormente.

Solo de boa qualidade traz plantas fortes e saudáveis, com alta produção. O solo salino é um grande problema para os agricultores, mas existem formas de trabalhar com solo salino.


Créditos:

Theivendram Vigneswaran foi Gerente Agrícola do Instituto de Agricultura da Faculdade de Jaffna em Maruthanamadam, no Sri Lanka. Atualmente, ele trabalha como consultor da Rádio Rural Internacional em Toronto.

Fontes de informação:

Agriculture in the Tropics, de C. C. Webster e P. N. Wilson. Publicado pela Longman Scientific and Technical, Longman House, Burnt Mill, Harlow, Essex CM20 2JE, Inglaterra.

Ecology and Management of Problem Soils in Asia. Série de Livros do FFTC n° 27, agosto de 1984. Publicado pelo Centro de Tecnologia de Alimentos e Fertilizantes da Região da Ásia e Oceania, Agriculture Building, 14 Wen Chow Street, Taipei, Taiwan.

Halting the salt that kills crops, de Femi Ajayi, Moyiga Nduru e Abdou Gningue, African Farmer, n° 4, julho de 1990, págs. 22-27. Publicado por The Hunger Project, Global Office, One Madison Avenue, New York, New York 10010, Estados Unidos.

Entrevista com James McGilligan, especialista em salinidade do solo de Indore, Índia.

What We Learned, 1989, Instituto de Agricultura da Faculdade de Jaffna, Sri Lanka.


A Rádio Rural Internacional (Farm Radio International) é uma organização canadense sem fins lucrativos dedicada a apoiar emissoras de rádio em países em desenvolvimento para fortalecer comunidades rurais e a agricultura em pequena escala.

Segundo a organização, o material da Rádio Rural Internacional pode ser copiado ou adaptado para distribuição gratuita ou a preço de custo, com crédito para a Rádio Rural Internacional e para as fontes originais.

Esta versão em português é um trabalho voluntário, independente da organização e oferecido gratuitamente para as emissoras de rádio dos países de língua portuguesa. O texto foi traduzido para o português do Brasil, mas pode ser adaptado com facilidade para o português falado em outras partes do mundo (para dúvidas sobre os termos empregados, utilize o formulário de contato em https://radioruralportugues.wordpress.com/creditos-e-contato/).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s