Conservação do solo na fazenda de Máximo Escobar

Material produzido pela Rádio Rural Internacional em 1º de janeiro de 1992, como parte do pacote de informações n° 24.

Original em inglês disponível em: http://www.farmradio.org/radio-resource-packs/package-24/soil-conservation-on-don-maximo-escobars-farm-2/.


Observações para as emissoras:

Conteúdo:  O Sr. Máximo Escobar planta na encosta de uma montanha muito íngreme.  Ele faz experiências com diferentes métodos de controle de pragas e emprega métodos eficazes de conservação do solo.


Roteiro:

Dois anos atrás, o Sr. Máximo Escobar, agricultor de Pata Galana, na Guatemala, começou a plantar em um pedaço de terra abandonado em uma encosta muito íngreme. Ele tinha vários objetivos.

Ele esperava cultivar a terra quase sem utilizar pesticidas nem fertilizantes químicos perigosos. Ele queria evitar ou limitar a erosão do solo, mas sabia que seria uma tarefa muito difícil em um terreno tão inclinado.

Ele também queria experimentar diferentes métodos agrícolas que estavam sendo empregados pelo Movimento Guatemalteco de Reconstrução Rural na sua estação de pesquisa próxima. Eles incluíam o uso de uma série de métodos de controle de pragas ao mesmo tempo e mistura de árvores com plantas produtoras. Ele sabia que seus objetivos eram difíceis e que esse trabalho seria um grande desafio.

Dois anos depois, Máximo ainda está trabalhando muito para cultivar a terra. Ele faz quase todo o trabalho sozinho, pois seus filhos não vivem mais por perto. E ele tem sucesso. Ele passa muito tempo testando diferentes métodos para decidir qual é o melhor para sua terra. Estes são alguns dos métodos que funcionaram para ele e que ele gostaria de compartilhar com outros agricultores.

Controle de pragas:

O canteiro de terra de Máximo cobre uma área de 4000 metros quadrados (2/5 hectare). Ele cultiva milho, feijão, cebola, pimenta, café, trigo, frutíferas, abacates e framboesas. Ele também possui um pequeno jardim onde cultiva vegetais para sua família. Como parte de um programa de controle de pragas, ele faz rotação das suas safras, particularmente o milho, feijão, trigo e os vegetais.

Ele também intercala plantas repelentes com as produtoras. As plantas repelentes são plantas com fortes odores que são desagradáveis para alguns insetos e os afastam. Algumas das plantas repelentes utilizadas por Máximo são ançarinha branca (Chenopodium album), arruda (Ruta graveolens), orégano, calêndula, alho e cebola. Ele planta essas plantas repelentes a cada dois metros entre os seus vegetais.

Embora ele tente não usar pesticidas perigosos, ele prepara um inseticida feito com folhas de fumo quando tem problemas sérios com insetos. Mas isso é venenoso e precisa ser manipulado com cuidado. Máximo normalmente não tem muitos problemas com pragas. Ele acha que o cultivo de uma grande variedade de produtos e espécies produtoras é a chave para manter baixa a população de pragas.

Conservação do solo:

Como o terreno é muito íngreme, a conservação do solo é importante. Máximo usa barreiras de rochas, barreiras vivas com capim napier e degraus. As barreiras de rochas ajudam a reter o solo que pode ser facilmente lavado ao longo da inclinação pela água da chuva. Essa técnica é empregada quando existem muitas rochas ao redor. Ele constrói essas barreiras de rochas ao longo do contorno. Elas têm cerca de 35 centímetros de largura e 40-50 centímetros de altura. Uma parede de rochas com essa altura reterá o solo por muito tempo.

Barreiras vivas de capim napier também ajudam a reduzir a erosão do solo. Capim napier é um exemplo de planta que é frequentemente plantada como barreira viva. Erva vetiver também é empregada com esse objetivo. Máximo plantou capim napier ao longo do contorno sobre algumas das áreas mais inclinadas do seu terreno. Essas barreiras também retêm o solo e evitam que ele seja lavado pela encosta quando chove. Máximo tem interesse especial por capim napier porque é uma planta nova na sua região. Depois que tiver todo o capim de que precisa para suas barreiras vivas, ele pretende compartilhar o capim com seus vizinhos, para que eles possam construir as suas próprias barreiras ou usar a grama como ração animal.

Outra parte importante da conservação do solo sobre a fazenda é o plantio de árvores. Ele planta árvores aqui e ali entre as plantas produtoras, ao longo de toda a fazenda. Ele também tem uma área de viveiro e uma parte que ele está reflorestando completamente com ciprestes, eucaliptos, casuarinas, pinheiros e freixos. As árvores mantêm o solo no lugar e retêm água no solo. É claro que elas também fornecerão lenha no futuro.

Máximo acredita ter sido bem sucedido na sua fazenda nos últimos dois anos. Ele tem boa produção e muito menos erosão do solo que os seus vizinhos. Ele também não precisa comprar muitos insumos para a fazenda. Os seus vizinhos estão sempre interessados no seu progresso. Eles concordam que os seus métodos fazem sentido porque eles ajudam a salvar o solo.


Créditos:

Máximo Escobar realiza pesquisa de campo com o auxílio do Movimento Guatemalteco de Reconstrução Rural (MGRR), em Jalapa, na Guatemala.

Fontes de informação:

As informações para este roteiro foram coletadas em uma visita à fazenda de Máximo Escobar durante o Seminário Internacional sobre Agricultura Regenerativa, promovido pelo Movimento Guatemalteco de Reconstrução Rural (MGRR) e pelo Instituto Internacional de Reconstrução Rural (IIRR), em Jalapa, na Guatemala, em julho de 1991. Movimento Guatemalteco de Reconstrução Rural, Torre Profissional 1, Centro Comercial, Zona 4, Oficina 203, Caixa Postal 1697, Guatemala, América Central.

Informações sobre a fazenda também foram fornecidas por Rudy Neftali Yanes, Assistente, Programa de Aprimoramento Econômico, Movimento Guatemalteco de Reconstrução Rural, Jalapa, Guatemala.


A Rádio Rural Internacional (Farm Radio International) é uma organização canadense sem fins lucrativos dedicada a apoiar emissoras de rádio em países em desenvolvimento para fortalecer comunidades rurais e a agricultura em pequena escala.

Segundo a organização, o material da Rádio Rural Internacional pode ser copiado ou adaptado para distribuição gratuita ou a preço de custo, com crédito para a Rádio Rural Internacional e para as fontes originais.

Esta versão em português é um trabalho voluntário, independente da organização e oferecido gratuitamente para as emissoras de rádio dos países de língua portuguesa. O texto foi traduzido para o português do Brasil, mas pode ser adaptado com facilidade para o português falado em outras partes do mundo (para dúvidas sobre os termos empregados, utilize o formulário de contato em https://radioruralportugues.wordpress.com/creditos-e-contato/).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s