A sociedade cooperativa agrícola “Unidos Venceremos”

Material produzido pela Rádio Rural Internacional em 24 de fevereiro de 2016, como parte do pacote de roteiros Barza.

Original em inglês disponível em: http://www.farmradio.org/radio-resource-packs/barza-scripts/together-we-stand-agricultural-co-operative-society/.


 

Observações para as emissoras:

As cooperativas agrícolas desempenham um papel importante na economia de Uganda. As cooperativas grandes predominam nos setores de café, algodão e laticínios. Mas a maior parte dessas cooperativas está enfrentando tempos difíceis na transição de um movimento financiado e dirigido pelo Estado para o financiamento e direção dos cooperados.

A definição de cooperativas é baseada em quatro conceitos principais: em primeiro lugar, elas são formadas por grupos de pessoas que possuem um problema ou necessidade comum. Segundo, a organização é formada livremente por membros que também contribuem com os seus ativos. Terceiro, a organização é governada democraticamente. Quarto, as cooperativas são organizações independentes promovidas, de propriedade e controladas por membros.

As cooperativas podem ser formadas em qualquer setor da economia, incluindo os setores agrícola, de mineração, indústrias e serviços.

As cooperativas de comercialização de produtos agrícolas tornaram-se um tipo tradicional e popular de desenvolvimento cooperativo e ligaram os países em desenvolvimento ao resto do mundo por meio das exportações. A maioria dos países africanos depende da produção agrícola para sua sobrevivência. As estatísticas indicam que 84% da população dos países africanos dependem da agricultura como fonte de alimento, renda e emprego.

Este roteiro é um miniteatro baseado em entrevistas reais com agricultores. Você poderá utilizá-lo como inspiração para pesquisar e escrever um roteiro sobre um tema similar na sua região. Ou você poderá decidir produzir este roteiro na sua emissora, utilizando radioatores para representar as pessoas. Se o fizer, não se esqueça de dizer aos seus ouvintes no início do programa que as vozes são de atores e não das pessoas originalmente envolvidas nas entrevistas.


Roteiro:

Personagens:

  • Sr. Okello: 38 anos de idade. Homem que não vê os benefícios da participação da sua esposa no grupo agrícola Kacel wacung ou “Unidos Venceremos”.
  • Sra. Okello Balbina: 36 anos de idade. Ela é a presidente do grupo de agricultores.
  • Sua filha Aber: 18 anos de idade. Estudante que terminou a escola mas não entrou na universidade. Ela está em casa por falta de pagamento de mensalidades para continuar.
  • Sr. Oballim: Funcionário de cooperativas do distrito.
  • Agricultores da aldeia.

Narrador: Boa tarde, ouvinte. São duas horas da tarde e esta é a 102 Mega FM. Hoje apresentaremos um pequeno radioteatro sobre cooperativas agrícolas. Vamos nos concentrar principalmente na família Okello. Esta família vem enfrentando muitos problemas há muito tempo. O produto que eles conseguem com a fazenda é pouco demais para pagar as mensalidades escolares dos filhos. A esposa do Sr. Okello, Balbina, quer registrar o seu grupo de agricultores Kacel wacung (“Unidos Venceremos”) com base na sociedade cooperativa. Eles poderiam então conseguir empréstimos para ajudar a aumentar a sua produção, ter serviços médicos adequados e até pagar as mensalidades escolares das crianças. Mas o marido opõe-se à ideia porque ele não vê um bom futuro para as cooperativas.

Início da manhã. Galos cacarejam e passarinhos cantam. Sons de fundo de frigideiras e copos sendo lavados e Aber canta suavemente.

Balbina: Bom dia, meu marido. Como foi a sua noite?

Sr. Okello: Bem, minha esposa. E você? Alguma coisa preocupando? Você ficou se mexendo a noite toda.

Balbina: Hmm! Nada, a não ser a visão da nossa filha ainda em casa enquanto todos os outros já foram para a escola.

Sons de fundo de lavagem e canto param

Sr. Okello: Deus me disse que não devo me preocupar com o amanhã porque ele se proverá por si próprio. Mesmo se você se preocupar, o dinheiro vai cair do céu? Você sabe que somos pobres e não podemos pagar o ensino da Aber na universidade. Então pare de se aborrecer.

Balbina: Eu quero pedir alguns favores para você, meu marido. Mas não sei se você pode fazer.

Sr. Okello: O que você quer que eu faça, minha esposa?

Balbina: (Limpa a garganta) Won Aber (nota do editor: “won” significa “pai de” e é sinal de respeito), quero que você me ajude com cinco mil xelins (nota do editor: cerca de US$ 2,00). Com esse dinheiro posso registrar o nosso grupo de agricultores na sociedade cooperativa.

Sr. Okello: O quê? O que você está dizendo? Nós não temos dinheiro e você está pedindo dinheiro para ir lá e gastar com isso? Quem disse a você que as cooperativas ainda estão funcionando? Conheci cooperativas no tempo do meu avô. Mas não agora. Não tenho dinheiro para gastar.

Aber: (Bate na porta) Olá, papai e mamãe, vocês estão bem? (pausa) Há alguma coisa errada, mamãe e papai? Bom dia! Como foi a sua noite?

Sr. Okello: Bom dia, minha filha. Não há nada errado. É a sua mãe que quer estragar o meu dia! Onde as cooperativas funcionaram? Mulher, se você quer dinheiro, vá e peça ajuda ao seu pai, não a mim.

Aber: Que dinheiro, papai?

Sr. Okello: Pergunte para ela.

Balbina: Aber, estou muito preocupada por você estar em casa sem fazer nada. E podemos conseguir dinheiro se o nosso grupo de agricultores Kacel Wacung registrar-se como cooperativa. Pedi ao seu pai que me ajudasse com a taxa de registro de 5000 xelins que cada membro deve pagar.

Aber: (Cochichando para que o pai não ouvisse) Mamãe, tenho algum dinheiro, vinte mil xelins (nota do editor: cerca de US$ 9,00) e vou dar para você, mamãe.

Balbina: Aber, minha filha, onde você conseguiu esse dinheiro?

Aber: Mamãe, você se lembra da última vez em que fui ver a minha tia em Pabo?

Balbina: Sim. Mas isso foi dois meses atrás.

Aber: Exatamente, mamãe. Ela me deu 20.000 xelins para ajudar a comprar pequenas coisas de que poderei precisar quando for para a escola. Mas eu guardei o dinheiro todo esse tempo. Está aqui. Tome, mamãe.

Balbina: Obrigada, minha filha. Vou lá agora falar com todos os membros de Kacel wacung. Vou falar com os membros que já estão prontos para dar seus pagamentos para podermos registrar o mais breve possível.

Aber: Sim, mamãe, mas eles precisam conhecer os benefícios que o grupo vai ganhar com as cooperativas.

Balbina: É verdade! É uma ideia brilhante. Vou falar com Lucima. Ele vai trazer os membos para uma reunião. Vamos organizar uma reunião na sombra da mangueira para podermos todos falar com o responsável de cooperativas do distrito.

Som de tambores. Diminui sob o porta-voz da cidade.

Porta-voz da cidade: Olá, tenho uma mensagem muito importante para todos os membros desta comunidade. Haverá uma reunião hoje à noite embaixo da mangueira grande. Compareçam todos!

Tambores sobem, depois somem.

Narrador: Assim foi organizada uma reuinão para todos os moradores para encontrar o responsável de cooperativas do distrito. Mais de sessenta membros de Kacel wacung e outros moradores sentaram-se sob a árvore aguardando o visitante.

Balbina: Em primeiro lugar, quero agradecer a todos por comparecerem a esta reunião marcada com tão pouca antecedência. Mas, antes de começar a nossa reunião, alguém por favor reze pela orientação de Deus.

Narrador: E alguém recitou uma oração. Ao final da prece, todos disseram amém.

Som de vozes sussurrando e pessoas sentando

Balbina: Gostaria agora de apresentar o Sr. Oballim. Ele vai contar de onde vem e o que ele faz.

Sr. Oballim: Meu nome é Oballim e sou o responsável de cooperativas do distrito em Gulu. Quero contar o que é uma cooperativa e como agricultores como vocês podem beneficiar-se de estar em uma cooperativa.

Boa tarde, membros de Kacel wacung. Como estão todos?

Membros: (Murmúrios) Estamos bem. (Outros) Nada bem.

Sr. Oballim: Bom. Isso é parte da vida, porque ninguém no mundo está bem todo o tempo.

Agricultor 1: Nossos problemas são muitos para suportar. Veja, todas as nossas crianças estão em casa. Elas não podem ir para a escola porque não temos dinheiro para pagar as mensalidades.

Agricultor 2: Outros agricultores estão ganhando dinheiro com sua produção. Mas nós… Meu Deus! Até as nossas roupas mostram nossa pobreza.

Sr. Oballim: Por isso estou aqui – para podermos encontrar uma forma de nos organizar em grupos. Esses grupos nos darão uma voz forte.

Balbina: Vamos parar de perder tempo porque o nosso convidado tem muito para nos contar hoje sobre as cooperativas agrícolas. Seja bem-vindo! Estes são membros da Kacel wacung e outros moradores. Fale para eles, por favor.

Sr. Oballim: Obrigado, senhora. Vou começar contando o que é uma cooperativa agrícola. As cooperativas mantêm benefícios econômicos em uma comunidade. Os lucros não são perdidos com os juros externos, pois os cooperados são seus donos. A cooperativa existe para atender a uma necessidade na comunidade que não está sendo atendida por outros negócios.

Agricultor 3: Como vamos nos beneficiar com isso então? Pensei que, como a cooperativa é nossa, fôssemos livres para fazer qualquer coisa com o dinheiro que ganharmos.

Sr. Oballim: Esta é uma ótima pergunta. É verdade que vocês, como membros, são os donos desse negócio. Mas haverá algumas normas sobre como fazer lucro. Se não houver normas, a cooperativa vai falir.

Membros: (Murmúrios) Sim, sim, você tem razão.

Agricultor 2: Você tem razão. Qualquer organização sem normas fracassa. Mesmo nas nossas casas, temos normas e regulamentos a serem seguidos.

Sr. Oballim: Bom. Voltemos aos benefícios das cooperativas. Os membros das cooperativas são os donos dos seus negócios. Eles fornecem dinheiro para o capital, elegem a diretoria e recebem os benefícios da propriedade na forma de serviços melhores. As cooperativas ensinam às pessoas como resolver problemas e tomar decisões democraticamente. Muitos indivíduos que receberam sua educação na democracia das cooperativas tornaram-se líderes políticos no seus países.

Agricultor 3: Como as cooperativas podem resolver nossas disputas uns com os outros? Na semana passada, por exemplo, tivemos discussões sérias sobre quanto cada membro deveria ganhar com as vendas do nosso milho.

Sr. Oballim: É verdade! A cooperativa terá uma constituição que orientará vocês. Quando vocês quiserem fazer alguma coisa, consultem a constituição. Ninguém fará nada fora da constituição e, se isso acontecer, haverá uma penalidade.

Agricultor 2: Quem deverá escrever a constituição?

Sr. Oballim: É responsabilidade dos membros escrever a constituição.

Agricultor 1: A constituição será parecida com a do Parlamento de Uganda?

Todos riem

Agricultor 1: O quê? Por que vocês estão todos rindo? Alguns de vocês nem sabem o que é uma constituição. Não riam do que vocês não sabem.

Sr. Oballim: Meu amigo, você está certo. A constituição será parecida com a do parlamento. Mas a sua constituição servirá apenas para o seu grupo, enquanto a de Uganda cobre todos os setores. Fora isso, as constituições são mais ou menos parecidas.

(Pausa) Vamos continuar com os benefícios das cooperativas. (Pausa) As cooperativas difundem poder econômico e incentivam a competição. Com o trabalho conjunto, elas fornecem mercados para os pequenos produtores prejudicados pelas companhias poderosas. Elas eliminam os intermediários e os financiadores, que têm lucros e taxas muitas vezes exorbitantes. Individualmente, quem de vocês pode alugar um caminhão para vir à sua fazenda e retirar a sua colheita?

Membros: (Murmúrios).

Sr. Oballim: Ninguém. Porque as suas colheitas são pequenas demais. Mas juntos, vocês podem alugar vários caminhões ou até comprar os seus próprios caminhões no futuro. Aplicando os seus lucros nos seus próprios negócios, as cooperativas podem operar com margens menores. Eles podem ajudar a reduzir preços abusivos e definir preços acessíveis para bens e serviços.

Todos sabemos que as pequenas fazendas nem sempre têm transporte para fornecer produtos ao mercado. Além disso, o pequeno volume da sua produção pode colocá-los em uma posição de negociação desfavorável com os atacadistas. Neste caso, a cooperativa pode agir como intermediário para solucionar problemas com os atacadistas e com o transporte.

Agricultor 1: Isso parece bom porque temos grandes problemas com transporte. E, quando levamos os produtos para o mercado, às vezes os intermediários querem decidir a que preço devemos vender nossos produtos. Na semana passada mesmo, meu irmão levou suas batatas frescas para venda. Quando ele foi ao mercado, disseram que o preço da batata havia caído para 20.000 xelins por saco. O que mais ele podia fazer a não ser vender àquele preço?

Agricultor 3: Por favor…

Balbina: (Interrompendo) Vamos dar tempo ao nosso visitante de terminar sua apresentação antes das perguntas. Está bem assim?

Membros: Sim.

Sr. Oballim: As cooperativas ajudam as pessoas a escapar da pobreza e realizar sonhos, como ter uma casa ou dar educação aos seus filhos. Elas dão poder aos indivíduos dando uma chance de participar de decisões que têm impacto sobre eles. Quando eles têm o poder de fazer mudanças, os membros encontram soluções para suas necessidades sociais e econômicas.

Por fim, as cooperativas permitem que os agricultores comprem produtos a preços mais baixos, porque a compra pode ser feita em garndes volumes, o que permite lucros maiores na hora da venda mais tarde. Pensem quanto custariam as sementes ou o fertilizante orgânico se vocês comprassem do distribuidor em vez de comprar individualmente do intermediário.

Agricultor 2: Poderíamos até usar os caminhões que comprarmos para coletar as sementes e trazer para a aldeia!

Membros: Riem.

Agricultor 1: O que precisamos fazer para ser uma cooperativa agrícola registrada?

Sr. Oballim: Esta é uma boa pergunta. Tudo o que vocês precisam fazer é registrar-se com a sociedade de cooperativas e há uma pequena taxa que o seu grupo precisa pagar.

Agricultor 2: Quanto precisamos pagar?

Sr. Oballim: Preciso verificar (curta pausa enquanto ele verifica seus livros e pastas)… Sim, aqui está a resposta. Grupos como o seu pagam 100.000 xelins (nota do editor: cerca de US$ 43,00) pelo registro. E cada membro paga uma soma de 5000 xelins.

Agricultor 2: Mas alguns de nós não foram para a escola e não podem assinar. Como as cooperativas trabalham para nós?

Sr. Oballim: Meu amigo, não há problema quanto a isso. Tudo o que vocês precisam é eleger pessoas que saibam ler e escrever para os quatro cargos principais. Os outros então darão conselhos. As cooperativas podem também organizar-se para ensinar aos seus membros técnicas de produção, melhoria da qualidade ou até a ler.

Agricultor 1: Obrigado, senhor. Mas como podemos ter certeza de que todos os nossos problemas serão resolvidos quando pagarmos todo esse dinheiro?

Sr. Oballim: Obrigado pela pergunta. Quero que vocês saibam que uma cooperativa não vai resolver todos os seus problemas, a não ser que os seus membros trabalhem muito. As cooperativas são uma ferramenta de melhoria e não o objetivo final.

Agricultor 2: Mas qual segurança temos com o dinheiro do registro? Soubemos que há muitos funcionários corruptos nos escritórios do governo. Qual é a segurança do nosso dinheiro?

Agricultor 3: Senhor, a eleição está chegando. O senhor não acha que o nosso dinheiro será comido pelos gananciosos?

Sr. Oballim: Obrigado a todos pelas perguntas. Isso indica que vocês são sérios e querem ver todas as dúvidas sanadas antes de dedicar-se a uma cooperativa. (Pausa) É verdade que muitas cooperativas foram enfraquecidas por anos de conflitos políticos e econômicos e pelas ações de alguns dos seus líderes, até serem finalmente extintas como parte das reformas econômicas. Mas isso foi muito tempo atrás. O novo governo revisou o estado das cooperativas e agora tudo vai bem. É importante ter eleições limpas na sua cooperativa todos os anos e ter uma diretoria inteligente que possa provar que não há corrupção na cooperativa. Vocês, como membros, têm controle sobre isso e a responsabilidade de fazer com que a sua diretoria preste contas aos cooperados.

Agricultor 4: Existem outros benefícios imediatos de pertencer à cooperativa?

Sr. Oballim: Vocês devem também saber que grupos de propriedade dos seus membros podem aumentar a renda de cada um deles. Isso pode acontecer diretamente, por exemplo, com compras de insumos a granel e vendas coletivas. Ou pode acontecer indiretamente, com iniciativas de política e defesa. Vocês vão ter boa renda com os lucros resultantes obtidos.

Agricultor 1: Muito obrigado, Sr. Oballim, por todas as discussões de hoje. Acho que agora é nossa responsabilidade finalizar a nossa parte. Como esta cooperativa não trará dinheiro do céu, temos que trabalhar muito para fazê-la crescer.

Agricultor 2: Obrigado a todos. Todos nós ouvimos o Sr. Oballim. A cooperativa é uma boa forma de resolver nossos problemas.

Todos: Sim, isso mesmo!

Agricultor 1: Teremos sucesso se conseguirmos alguém que saiba ler e escrever bem para administrar este projeto.

Agricultor 2: Não. Não concordo. Uma pessoa nova e instruída só vai roubar todo o dinheiro que poderíamos ter gerado. Não gosto de pessoas que foram para a escola porque eles são todos ladrões.

Agricultor 1: Por que um pensamento tão rígido? Esqueceu que alguns funcionários de cooperativas da cidade não sabem nosso idioma local? Como nos comunicaremos com eles quando enviarem os formulários?

Agricultor 3: Tem razão, meu amigo. Até a constituição que precisamos escrever precisa ser feita por quem estudou bastante.

Balbina: Bem, isso é algo que precisamos examinar seriamente. (Pausa) Mas, se quisermos contratar alguém para nos ajudar, onde conseguiremos o dinheiro para pagar?

Agricultor 3: Mas, Balbina, não podemos buscar a ajuda da sua filha Aber? Ela é uma menina inteligente e muito respeitável. Nós a vimos crescer e sabemos que ela não vai nos trair.

Agricultor 1: Sim! Aber!

Agricultor 2: Ei! Ei! Por que todos nós esquecemos minha sobrinha, Aber?

Balbina: Está bem, vou falar com ela. Mas por quanto tempo podemos esperar que ela trabalhe de graça?

Agricultor 2: Não se preocupem, membros da Kacel wacung. A nossa sociedade de cooperativas pode enviar um pequeno valor que pode ser pago a um especialista de qualquer grupo ativo. Vamos dar a ela 100.000 xelins para o transporte, comunicação e outras despesas.

Agricultor 1: Sim, mas como vamos conseguir o dinheiro para pagar à sociedade de cooperativas?

Agricultor 2: Depois de três anos, quando começarmos a fazer algum lucro, começaremos a pagar à sociedade cooperativa aos poucos, até que a dívida esteja paga. Você não sabia que ainda estamos pagando as dívidas que o nosso país contraiu trinta anos atrás?

Balbina: Ha! Ha! Deus é bom. Não há nada impossível para quem estudou. Vou voltar para a escola hoje!

Membros: Todos riem.

Balbina: Como o pai de Aber está aqui, poderia falar, meu marido?

Sr. Okello: Prosperidade, Kacel wacung! Tenho vergonha de falar para vocês aqui porque fui contra a formação deste grupo como sociedade cooperativa. Não vi nenhum benefício em nenhuma das sociedades cooperativas de hoje em comparação com as que existiam no tempo do meu pai. Minha esposa, vou dar agora os 5000 xelins que você me pediu para o registro. (Pausa enquanto ele verifica seus bolsos) Aqui está!

Membros: Saúdam e gritam com alegria.

Sr. Okello: A partir de hoje, também vou me registrar como membro do grupo Kacel wacung e vou apoiar todos vocês. Também vou registrar a Aber antes dela começar a trabalhar. Aqui estão mais 20.000 xelins para mim e para a Aber – para o nosso registro como novos membros.

Membros: Mais saudações e gritos.

Balbina: Está anoitecendo agora. Vamos embora. Mas quero me reunir com todos os membros executivos na quarta-feira.

Narrador: Muito obrigado pela audiência. Há um começo e um final para toda história. Estou aqui para dizer que chegamos ao final da nossa história, mas a luta continua. Um grande abraço da 102 Mega FM em Gulu, norte de Uganda. Até logo!


Créditos:

Contribuição de Grace Amito, Mega FM, Gulu, Uganda.

Revisão: Rodd Myers, Associação Canadense de Cooperativas.

Fontes de informação:

Barton, David. 1989, em Cooperatives in Agriculture, editado por David Cobia. Prentice Hall, Englewood Cliffs, NJ, pág. 30.

Encyclopedia of Business, segunda edição, sem data. Cooperatives. http://www.referenceforbusiness.com/encyclopedia/Con-Cos/Cooperatives.html.


A Rádio Rural Internacional (Farm Radio International) é uma organização canadense sem fins lucrativos dedicada a apoiar emissoras de rádio em países em desenvolvimento para fortalecer comunidades rurais e a agricultura em pequena escala.

Segundo a organização, o material da Rádio Rural Internacional pode ser copiado ou adaptado para distribuição gratuita ou a preço de custo, com crédito para a Rádio Rural Internacional e para as fontes originais.

Esta versão em português é um trabalho voluntário, independente da organização e oferecido gratuitamente para as emissoras de rádio dos países de língua portuguesa. O texto foi traduzido para o português do Brasil, mas pode ser adaptado com facilidade para o português falado em outras partes do mundo (para dúvidas sobre os termos empregados, utilize o formulário de contato em https://radioruralportugues.wordpress.com/creditos-e-contato/).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s